“Correr não adianta. É preciso partir a tempo.” – Jean de La Fontaine

“Tem muito tempo aquele que não o perde.” – Bernard le Bovier de Fontenelle

Hourglass and Shadow…Ah! O tempo. Já cantava Cazuza, “o tempo não pára”. Você pode tentar sempre, mas correr atrás do tempo perdido? Não, não acredito que seja possível. Quem pode, de fato, reverter as areias do tempo? Ninguém pode. Ai começa muito do dilema humano. E se? E se eu tivesse agido diferente? E seu eu não tivesse sentido medo? E se eu tivesse feito do meu jeito? E se… É uma questão perturbadora. Eu acredito que a vida seja um grande laboratório, onde não devemos ter o medo como aliado. Devemos tentar, devemos correr atrás do que acreditamos ser o melhor para nós independente do que os outros vão achar. Ninguém chega a lugar nenhum ouvindo opinião alheia. Chega-se acreditando em si mesmo, lutando contra as intempéries da caminhada. Quando chegamos a esta conclusão, pode ser um descoberta magnífica, você ter tanto poder em suas mãos, poder de escrever seu destino, de ser o que você quiser ser em sua vida! É algo lindo… Inspira-nos ver histórias de pessoas que venceram na vida por acreditar em seus sonhos. Queremos saber onde encontrar a fórmula mágica, buscamos livros de auto-ajuda, vamos a palestras, alguns tornam-se frequentadores assíduos de igrejas neo-pentecostais com toda aquela falácia em troca de dinheiro, e muitas outras fórmulas são criadas dia após dia por pessoas que chegaram lá, e nós mesmo veladamente, as invejamos. Nós queremos chegar lá. Nós MERECEMOS chegar lá, afinal nós nascemos para ser vencedores nesta vida, e só temos esta vida para provar que somos capazes.

relógioMas a coisa não é bem por ai. Quer você acredite, quer você não acredite, poucos, uma minoria consegue realmente aproveitar bem seu tempo. Muitos de nós temos nossas oportunidades trancafiadas, e quando vemos a possibilidade de correr atrás, o prazo de validade venceu. Comigo foi assim. Fui condicionado a ter medo, principalmente medo de errar. Errar é algo mais do que necessário para o aprendizado de qualquer ser humano. Eu nunca tentei nada na vida, pois sabia que se errasse não teria onde me consolar, não teria apoio de pai nem mãe, e isso nos desestrutura terrivelmente. Já falei em um post anterior que meu pai controlou todos os meandros da minha vida, e hoje acho muito difícil fazer algo por mim. Quando me formei, queria muito ter feito um programa de trainee em alguma empresa, mas não tive oportunidade. Quando eu me vi livre dos impedimentos, meu prazo já havia vencido. Vi as areias do tempo passarem. Não fui um adolescente normal. Não namorei, não sai, a primeira vez que fui a um cinema eu tinha 24 anos, e fui escondido, pois para meus pais ir a um cinema era o mesmo que cometer bestialismo ou matar o presidente, e isto não é hipérbole, já que na igreja que frequentávamos o todo-poderoso pastor proibia-nos de frequentar tais lugares. Nunca pude ter videogame. Nunca pude sequer ter amizade. Cresci ouvindo da minha mãe que minha amiga era minha irmã e não precisava de mais ninguém. Hoje a porta dos 31 anos quero fazer algo, mas o medo me domina. O tempo de ver novidades está se esgotando. Já não dá para eu correr atrás do que “poderia ter sido e não foi”. E, francamente, sei que minha vida é problema meu, mas julgamento público causa lassidão em qualquer um. E sempre tem um idiota que acha que conhece suas dores melhor do que você e fica passando sermão de como você deveria ou não viver sua vida, e isso me deixa deveras irritado, e sempre acho alguém dessa laia pra encher meus ouvidos… Que azar! A vida passa, tudo passa, mas como você passa a vida faz toda a diferença.

Anúncios