imagesA vida é ambígua a maior parte do tempo. Também dualista. Nem sempre é fácil se livrar do maniqueísmo, mas estamos sempre divididos entre o preto e o branco, dificilmente uma escala de cinza. Há momentos que deveríamos estar felizes e estamos tristes e vice-versa; acho que estes sentimentos podem nos levar a loucura. Bom, muitas pessoas não conseguem se compreender direito, mas enfim, isto não é excessão, é regra. Poucos de nós conseguem (aliás, eu duvido muito que alguém de fato consiga). Francamente nada aqui (incluindo este post) está fazendo muito sentido hoje para mim. Escrever é um prazer, mas às vezes pode ser um fardo. Amar é bom, mas às vezes pode ser um fardo. Tentar ser diferente é bom, mas sim, às vezes pode ser um fardo. Minha caminhada estes dias pelas descobertas têm sido boas, mas às vezes têm sido um fardo. Lamento que as descobertas tenham vindo um pouco tarde, já não sou um adolescente, apesar de me sentir um. Tento entender minha homossexualidade estes dias e cada vez mais descubro que não é isso que quero pra mim. Não! Espera. Acho que talvez eu acabe gostando… Mas não, não quero isso pra mim! Nossa… como cansa essa montanha russa!

dualism-of-love-catania-italy+1152_13287332386-tpfil02aw-12537Ontem assisti a um documentário chamado Leve-me para sair e senti-me meio estranho ao ver pessoas que passam pelo mesmo que eu, enfrentam os mesmo grilos que eu, mas diferente de mim conseguem lidar com a situação. Eu queria ter coragem de assumir tudo que sou, mas quando penso que ainda tenho muito a perder fico com medo. Medo. Quatro letras que podem matar um ser humano. Queria me esquivar dele mas não consigo. Uma psicologa disse que não preciso de psicologo mas não consigo ver como psicologia me ajudaria se esquivando em ser psicologicamente apoiadora nesse quesito. Está tudo ficando mais complicado, mais escuro. Não quero acabar sem a possibilidade de fazer escolhas. Conheci alguém maravilhoso e não sei simplesmente como lidar com a situação. Mais uma vez vejo-me nulificado em prol da situação ao invés de tomar uma decisão que vá ser benéfica; obviamente que não sei do futuro então não faço a menor ideia de como tomar decisões. Seja como for, a vida segue com seus altos e baixos e suas facetas se resumindo a como me torturar com suas poucas e obscuras escolhas. Espero sobreviver…

Eis o documentário…

Anúncios