despedaçadoVocê já teve um sonho, um sonho que esperou anos para realizar? É ótimo termos estes sonhos, algo que nos dá esperança de olhar para frente, como uma causa pessoal pela qual lutar. Pode ser algo pequeno, que só faz sentido para você. Uma conquista, um emprego, um carro novo, um apartamento, ou coisas menores e abstratas. Às vezes nos sentimos felizes por ter tais sonhos brotando dentro de nós que fazemos a besteira de compartilhar com os outros, alguém que não entende nem se importa, na verdade, com aquilo que estamos sentindo. E é aí que nos damos mal. As pessoas costumam ser cruéis, matando aquilo que para elas não é nada, mas que para você é um mundo inteiro. Pior quando vem de alguém que deveria apoiar você, estar ao seu lado, ou pelo menos, respeitar suas decisões. Pode ser que essas pessoas não façam nada para impedir, mas que elas digam palavras que trazem desânimo, e você simplesmente perde toda alegria do momento, quando você se viu tão perto de realizar aquilo que tanto sonhou. Verdade é que não devemos deixar os outros matarem nossos sonhos, temos que tomar as rédias da nossa vida. Mas e quando a pessoa que mata seus sonhos são seus pais? Você foi criado para obedecê-los e respeitar sua autoridade e muitas vezes tem medo de contrariar-lhes, medo de que algo ruim possa acontecer se você não os ouvir, afinal, eles já viveram mais que você, têm mais experiência. Ah! Como seria bom se todas as palavras de autoajuda fossem fáceis de se realizar, teríamos menos dores em nossos corações. Mas não é tão simples assim.

garoto_solitarioAgora pense na situação. Você está a cinco anos desempregado, correndo para todos os lados mandando currículos, fazendo concursos públicos, se inscrevendo em sites de emprego que você nem sabe se de fato são confiáveis, arriscando muito dando número de documentos, nome e endereço ao léu, de repente uma porta se abre, uma porta pequena, mas que já alivia aquela tensão de não ter certeza se irá um dia se recolocar no mercado de trabalho. Você está feliz, mas de repente, se vê em meio de conflitos em seu local de trabalho, e como recém-chegado você simplesmente não sabe para que lado correr. Você se volta para Deus pedindo graça para suportar e não cometer erros, você se policia a ponto de sentir-se neurótico com tudo e todos, e trabalha sob pressão com medo de ser pego em alguma falha que irá deixá-lo em maus lençóis caso ocorra. Sua única solução é se trancar em seu mundo, passar por cima de suas emoções (aquela vontade de gritar e mandar o outro se f****). Pois bem, estas são situações que eu tenho vivido estes últimos dias. Hoje, exatamente num sábado de setembro, me peguei chorando sozinho, pedindo a Deus uma luz, um lampejo de esperança para mudar esse quadro. Nada é como queremos, e no meu caso, acho que lutar contras tudo isso seria meio inútil, já que sei que quem mais tenho que mudar sou eu. Queria saber me relacionar com as pessoas, ser capaz de enfrentar conflitos com calma, paciência e coragem, e principalmente ser capaz de apostar no futuro e lutar por aquilo que sonho. Mas com tudo isso acontecendo ao mesmo tempo, nem sei por onde começar. E a batalha continua… Espero apenas sobreviver para contar uma nova história, quem sabe, com um final feliz.

Anúncios