[Silêncio]

cemitério-estatua-gótica-anjoBusquei uma citação para abrir esta postagem, mas não encontrei. Queria algo que me refletisse, mas não encontrei. Eu vou direto ao ponto. Me sinto ambivalente em relação a minha pessoa. Quero meu bem, afinal não posso me desassociar de mim, mas ao mesmo tempo, odeio quem sou. Quero muito mudar. Não por cobranças alheias, mas estou cansado de me arrepender do que faço, do que digo, do que sinto. Canso de não acertar. Errar é inevitável, mas a minha natureza me agride; não estou bem, minha saúde não está bem, meu emocional não está bem. Canso de ferir as pessoas que amo, de não saber demonstrar o que é mais importante a quem mais importa. Cada erro é com se arrancasse um pedaço de mim. Não posso cobrar amor das pessoas já que não sei amar. Mas eu fui ensinado na não saber amar, sou apenas uma produto do meio. Culpando outros? Mas é claro! É burrice demais esfaquear alguém e não esperar que ele sangre. Eu sangrei, e a cicatriz lateja. A ferida curou, mas a lição que ela me deixou acabou por me tornar indiferente às pessoas que estão próximas de mim. Ah! Como eu morro de inveja daqueles que têm amigos, muitos deles. Daqueles que têm para onde ir num fim de semana, que têm para quem ligar a qualquer hora, que podem brigar com um deles e ter outro a quem recorrer. Que não ficam mortos de vergonha de pedir ajuda quando precisam, e que recebem ajuda sem se sentir devedores. Eu não sei o que é isso. Tenho raiva da vida, ela é amarga. Só isso. Eu francamente não vejo proposito na existência. Pra quê existir? Vamos todos morrer, e ainda temos que sofrer entre o início e o fim. Qual a graça disso? Queria ter morrido na hora de nascer… Não levamos nada daqui mesmo… Desde que comecei este blog há dois anos lamento, lamento, lamento e nada mudou dentro de mim. Situações vieram e se foram, mas as tristezas só foram acrescidas. Hoje não me sinto um ser humano completo, apenas uma personagem em uma peça sem público, um monólogo mudo. Não sei que alguém vai ler isso aqui, já não importa. Não queria ser nada do que sou, mas não tenho escolha, o pior fardo que carrego na vida é ter que me suportar. Entendo aquelas pessoas que me abandonaram, mesmo quando não dei motivos (ou será que dei?). Seja como for, hoje minha esperança está perdida. Talvez eu a reencontre….

Anúncios