a599ab_04a6c41102514c2da0e95dd653dbcf4fCondição humana. Interpretá-la é uma tarefa árdua, duvido que, por mais que nos esforcemos, consigamos fazê-lo. É complicado para nós, principalmente capitalistas, entender como alguém que tem “tudo” possa ser infeliz e alguém que não tem “nada” possa ser feliz. Eu acredito que a felicidade seja uma das condições humanas que independem de forças exteriores. Você pode até se sentir feliz comprando algum bem de consumo, mas sua felicidade acaba logo que lançarem um modelo mais recente. Outra condição humana é a solidão. Lendo um site que trata de temas ligados a psicologia em um post que trata sobre danos ao cérebro, um dos fatores que danifica nosso cérebro é a solidão. Eu divido a solidão em duas: a perceptível e a factual. A perceptível refere-se àquela solidão que sentimos mesmo quando estamos cercado de pessoas. A factual refere-se aquela solidão propriamente dita, de quando não temos com quem contar. Às vezes enfrentamos as duas. Eu já enfrentei ambas em momentos distintos da minha vida. Ambas são difíceis de suportar, mas a solidão perceptível é a pior de todas porque enche nossa cabeça de questionamentos que simplesmente não têm respostas. Você se sente só. Fim. O problema da solidão é que ela altera nossa forma de interagir com o mundo. Somos seres sociais e necessitamos dessa interação com outras pessoas. Parte da interação está na comunicação, não apenas falada, mas a comunicação corporal. Algumas pessoas sabem ler essas comunicações subjetivas, outras não. Por falta dessa comunicação, vamos guardando dentro de nós sentimentos negativos, experiências ruins, males que precisam ser expurgados e acontece de acabarmos encontrando pessoas que apenas têm aparência de compaixão e nos abrimos com essas pessoas e nos arrependemos de tê-lo feito quando vemos essas pessoas partindo de nossas vidas e levando um pedaço de nós, que confiamos e acreditamos na amizade que elas ofereciam. A era pós-moderna prega a libertação dos relacionamentos, relacionamentos abertos onde ninguém é de ninguém e cada um é livre para partir a hora que quiser, e isso tem nos deixado adoecidos cada vez mais, mas ir de encontro a nova moda da década não vai trazer maiores benefícios. O que um amigo poderia fazer por nós tem que ser comprado em consultórios de psicólogos, pois a profissionalização da compaixão não tem efeitos colaterais. Até os psicólogos precisam de terapia, esse é o melhor marketing. Não, não sou contra a psicologia, muito pelo contrário, eu apoio e indico já que há casos e casos, e doenças psicológicas não são irrelevantes, elas matam tanto quanto males físicos. Mas a verdade é que usamos isso como desculpa para nos esquivar de demonstrar compaixão. Vivemos com pressa, não dá mais tempo de pensar no outro. Precisamos viver uma farsa para expor em nossas redes sociais nossa alegria de mentira enquanto muitos de nós desaba noite após noite quando tiramos nossa máscara  e ninguém pode contemplar o monstro que realmente somos. Defeitos fazem parte de nós, mas fugimos deles como se eles fosse aberrações herdadas por um acidente qualquer, tornado nossas vidas uma vitrine de hipocrisias para pessoas que não estão nem aí para o que somos, e depois reclamamos da inveja que os outros sentem daquilo que supostamente somos sendo que nós mesmos provocamos tais sentimentos nas pessoas. Alguns corações nunca sararão e nós apenas queremos fugir da culpa.

Anúncios